Menu
mutantes
segunda, 18 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC
Brasil - Saúde

Caso de raiva animal em São Paulo deixa donos de animais e veterinários em alerta

17 Jan 2012 - 13h45Por Agencia Brasil

A morte de um gato, em São Paulo, contaminado com o vírus da raiva deixa em alerta donos de animais e também especialistas. A médica veterinária Amélia Margarido, da Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal (Arca Brasil), disse à Agência Brasil que o ideal é vacinar os animais ao menos uma vez ano. Segundo ela, é fundamental também ter cuidado ao passear com os bichos devido à presença de morcegos – o principal transmissor do vírus.

“A vacinação anual contra a raiva em cachorros e gatos é o primeiro passo para evitar a doença. É preciso anotar a data para não se esquecer da revacinação anual”, destaca. “Caso encontre um morcego em situação vulnerável [significa parado, sem movimento], o ideal é não chegar perto e avisar o órgão [de vigilância sanitária] competente.”

Amélia Margarido recomendou ainda que os animais não fiquem soltos nas ruas, pois o risco de exposição às doenças aumenta, inclusive de contaminação do vírus da raiva. “Qualquer pessoa que tenha sido atacada por um animal, mesmo sem saber se [ele] está vacinado, deve procurar atendimento médico imediatamente para avaliação e tratamento.”

Há quatro meses, a servidora pública Maria Luzineide, de 48 anos, ganhou um gato e disse que faltaram explicações sobre como cuidar do animal. “Fiquei muito preocupada com o caso que ocorreu em São Paulo, desde que tenho o gato, não soube de campanha alguma. Agora com essa morte [do gato em São Paulo] vou levar meu gato ao veterinário. Faltam divulgação e atenção do Estado com a saúde dos animais.”

A também servidora pública Elida Mayara, de 30 anos, disse que está sempre atenta ao calendário de vacinação dos animais dela. “Tenho dois gatos e cuido muito bem deles. Para mim, a vacinação tem que estar sempre em dia. Faz dois meses que vacinei meus gatos, tive que desembolsar R$ 30 para vacinar os dois”, disse.

A comerciária Divina Correa, de 53 anos, disse que evita deixar sua cadelinha poodle, de 10 anos, solta na rua, mas admite que nunca a vacinou.“Gosto muito de cachorro, mas para ser sincera nunca vacinei minha cachorrinha. Um dos cuidados que tenho com ela é não deixá-la solta para diminuir a possibilidade de contrair doenças”, disse. “Acho que a vacinação feita em casa ajudaria muito. Fiquei assustada com esse caso e serviu como alerta para mim”, completou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Combate a hanseníase: Carreta da Saúde segue por MS e estaciona em Jardim
GERAL
Em MS, 54 mil trabalhadores nascidos em março e abril podem sacar o PIS a partir de quinta-feira
POLÍCIA
PM cumpre dois mandados de prisão e recaptura um evadido do Sistema Prisional em Guia Lopes
POLÍCIA
Polícia Militar apreende 35 pacotes de cigarros contrabandeados em Nioaque
BONITO - MS - SAÚDE
Projeto Roda-Hans/Carreta da Saúde atende amanhã em Bonito
GERAL
Municípios interessados em sediar eventos da Fundesporte devem apresentar propostas até 1º de março
DEFESA SANITÁRIA
Em MS, médicos veterinários cadastrados para coleta de mormo recebem capacitação
ESPORTES
FCMS e Fundesporte abrem inscrições para o primeiro curso de Arbitragem em Canoagem do MS
CULTURA
Músicos lamentam a morte de Dino Rocha, o Rei do Chamamé
CASO DE POLÍCIA NO MS
Em MS, adolescente de 16 anos se tranca em quarto e mata filha de 21 dias sufocada