Menu
KAGIVA
quarta, 15 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Casamento entre jovens ainda é tradição mantida por cigano

24 Mai 2011 - 11h06Por Agência Brasil

Muitas comunidades ciganas que vivem no país ainda cultivam tradições de séculos passados. Além do nomadismo de algumas famílias, é comum ver jovens entre 13 e 15 anos casando-se e formando família. Em muitos casos, a união é feita entre parentes.

De acordo com Elias da Costa, líder de um acampamento Calom no Distrito Federal, os ciganos se casam cedo para garantir a união da comunidade. A festa de casamento chega a durar três dias. “A gente se casa cedo porque é uma tradição de muito tempo. Para segurar a nossa adolescente, para que ela fique dentro da comunidade. Como cigano nunca estudou, nunca se formou, se casa cedo.”

Daqui a dois meses, o filho de Elias, de apenas 14 anos, vai se casar com uma adolescente de 13. O casamento foi combinado entre os pais dos noivos, pois, segundo a tradição, ciganos são proibidos de namorar. Entre os Calom, não há dote, mas uma ajuda conjunta da comunidade para que o casal comece a vida conjugal.

“O primeiro dinheiro do comércio, para ele começar [o negócio], sou eu que dou. Por exemplo, vou dar um carro para ele começar a vender as coisas. Mas ele tem dinheiro para comprar a mercadoria e começar a vender”, disse Elias.

No clã Rom, os casamentos também têm festas que duram três dias e custam até R$ 140 mil. A família da noiva costuma oferecer um dote ao noivo. “A cultura cigana é casamento, três dias de festa, 5 mil litros de chope, 20 carneiros no rolete, 16 porcos no rolete, festa grande mesmo”, disse o rom Maicon Martins.

O casamento entre pessoas do mesmo clã não é mais uma regra tão rígida para os ciganos, segundo Nicolas Ramanush, do clã Sinti.

Eles gostam de preservar sua identidade cultural. As mulheres Calom gostam de usar saias longas e acessórios, como pulseiras e brincos. A maquiagem é essencial. A influência brasileira, entretanto, já mudou alguns hábitos ciganos. Em uma comunidade de ciganos Calom em Planaltina, cidade do Distrito Federal, os homens não dispensam o cinto com fivela nem o chapéu de caubói. As canções ciganas cederam lugar à música sertaneja.

Já as mulheres Rom e Sinti mantêm a tradição de usar saias longas apenas em festas. “Nós usamos calça, fazemos o que queremos, somos donas do nosso nariz”, diz a cigana Rom Vanessa Martins.

As músicas, com influência europeia, são tocadas por grupos musicais formados por pessoas do próprio clã. As mulheres dançam para acompanhar o ritmo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - PODAS ORNAMENTAIS
Empresas credenciadas poderão realizar podas ornamentais em Bonito (MS)
FOTO: ISABELLE NERI CULTURA
Grupo Teatral que emocionou Bonito durante FIB lança campanha para evento em Curitiba
TEMPO E TEMPERATURA
Frente fria do Paraná se antecipa e pega trabalhador sem casaco em MS
POLICIAL
Defesa diz que pistoleiro é 'boi de piranha' e vítima de armação da polícia
SEM VIDA
Descaso acelera destruição de Aquário do Pantanal
ECONOMIA
Contribuinte que está no 3º lote do IR 2018 recebe hoje restituição
POLÍTICA
Termina hoje às 19h prazo para registro de candidaturas à Presidência
SAÚDE
Universidades terão incentivo para controlar obesidade
POLÍTICA
Temer, Eunício e Maia vão à posse do presidente do Paraguai
GABARITO PRELIMINAR
Divulgado gabarito preliminar das provas para soldado e oficial da PM, Confira