Menu
BONITO CÂMARA JULHO 2019
segunda, 22 de julho de 2019
BANNER GOV
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO

Casamento entre jovens ainda é tradição mantida por cigano

24 Mai 2011 - 11h06Por Agência Brasil

Muitas comunidades ciganas que vivem no país ainda cultivam tradições de séculos passados. Além do nomadismo de algumas famílias, é comum ver jovens entre 13 e 15 anos casando-se e formando família. Em muitos casos, a união é feita entre parentes.

De acordo com Elias da Costa, líder de um acampamento Calom no Distrito Federal, os ciganos se casam cedo para garantir a união da comunidade. A festa de casamento chega a durar três dias. “A gente se casa cedo porque é uma tradição de muito tempo. Para segurar a nossa adolescente, para que ela fique dentro da comunidade. Como cigano nunca estudou, nunca se formou, se casa cedo.”

Daqui a dois meses, o filho de Elias, de apenas 14 anos, vai se casar com uma adolescente de 13. O casamento foi combinado entre os pais dos noivos, pois, segundo a tradição, ciganos são proibidos de namorar. Entre os Calom, não há dote, mas uma ajuda conjunta da comunidade para que o casal comece a vida conjugal.

“O primeiro dinheiro do comércio, para ele começar [o negócio], sou eu que dou. Por exemplo, vou dar um carro para ele começar a vender as coisas. Mas ele tem dinheiro para comprar a mercadoria e começar a vender”, disse Elias.

No clã Rom, os casamentos também têm festas que duram três dias e custam até R$ 140 mil. A família da noiva costuma oferecer um dote ao noivo. “A cultura cigana é casamento, três dias de festa, 5 mil litros de chope, 20 carneiros no rolete, 16 porcos no rolete, festa grande mesmo”, disse o rom Maicon Martins.

O casamento entre pessoas do mesmo clã não é mais uma regra tão rígida para os ciganos, segundo Nicolas Ramanush, do clã Sinti.

Eles gostam de preservar sua identidade cultural. As mulheres Calom gostam de usar saias longas e acessórios, como pulseiras e brincos. A maquiagem é essencial. A influência brasileira, entretanto, já mudou alguns hábitos ciganos. Em uma comunidade de ciganos Calom em Planaltina, cidade do Distrito Federal, os homens não dispensam o cinto com fivela nem o chapéu de caubói. As canções ciganas cederam lugar à música sertaneja.

Já as mulheres Rom e Sinti mantêm a tradição de usar saias longas apenas em festas. “Nós usamos calça, fazemos o que queremos, somos donas do nosso nariz”, diz a cigana Rom Vanessa Martins.

As músicas, com influência europeia, são tocadas por grupos musicais formados por pessoas do próprio clã. As mulheres dançam para acompanhar o ritmo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADE
Com costelas e dedo quebrados, Henrique Fogaça pega pneumonia
FESTIVAL DE INVERNO NO ÁGUAS DO MIRANDA
Alunos do Águas do Miranda pintam telas em Workshop de Estêncil Graffiti para o Festival em Bonito
AMEAÇAS
Ameaça de ataque terrorista dobra segurança da ministra Tereza Cristina
BONITO - MS - PROGRAMAÇÃO DESTA TERÇA
Confira a programação da fase pré festival desta terça-feira em Bonito (MS)
CULTURA
71ª Reunião da SBPC homenageará formadores da identidade de MS com apresentações culturais
BONITO - MS
COMTUR aprova o VisitBonito como modelo de promoção turística do destino de ecoturismo
BONITO - MS - DADA A LARGADA
Festival de Inverno é lançado trazendo pré-programação e Cozinha Show em Bonito (MS)
BONITO - MS - MOSTRA GASTRONÔMICA
BONITO: Restaurante 'Encontro das Águas' participa da Mostra Gastronômica com prato Frango à Caipira
BONITO - MS - EJA COM VAGAS
Alô Bonito (MS), EJA tem vagas para adultos no Ensino Fundamental
DETRAN-MS
Julho é mês de pagar licenciamento de placas final 6