Menu
KAGIVA
quarta, 20 de junho de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Casamento entre jovens ainda é tradição mantida por cigano

24 Mai 2011 - 11h06Por Agência Brasil

Muitas comunidades ciganas que vivem no país ainda cultivam tradições de séculos passados. Além do nomadismo de algumas famílias, é comum ver jovens entre 13 e 15 anos casando-se e formando família. Em muitos casos, a união é feita entre parentes.

De acordo com Elias da Costa, líder de um acampamento Calom no Distrito Federal, os ciganos se casam cedo para garantir a união da comunidade. A festa de casamento chega a durar três dias. “A gente se casa cedo porque é uma tradição de muito tempo. Para segurar a nossa adolescente, para que ela fique dentro da comunidade. Como cigano nunca estudou, nunca se formou, se casa cedo.”

Daqui a dois meses, o filho de Elias, de apenas 14 anos, vai se casar com uma adolescente de 13. O casamento foi combinado entre os pais dos noivos, pois, segundo a tradição, ciganos são proibidos de namorar. Entre os Calom, não há dote, mas uma ajuda conjunta da comunidade para que o casal comece a vida conjugal.

“O primeiro dinheiro do comércio, para ele começar [o negócio], sou eu que dou. Por exemplo, vou dar um carro para ele começar a vender as coisas. Mas ele tem dinheiro para comprar a mercadoria e começar a vender”, disse Elias.

No clã Rom, os casamentos também têm festas que duram três dias e custam até R$ 140 mil. A família da noiva costuma oferecer um dote ao noivo. “A cultura cigana é casamento, três dias de festa, 5 mil litros de chope, 20 carneiros no rolete, 16 porcos no rolete, festa grande mesmo”, disse o rom Maicon Martins.

O casamento entre pessoas do mesmo clã não é mais uma regra tão rígida para os ciganos, segundo Nicolas Ramanush, do clã Sinti.

Eles gostam de preservar sua identidade cultural. As mulheres Calom gostam de usar saias longas e acessórios, como pulseiras e brincos. A maquiagem é essencial. A influência brasileira, entretanto, já mudou alguns hábitos ciganos. Em uma comunidade de ciganos Calom em Planaltina, cidade do Distrito Federal, os homens não dispensam o cinto com fivela nem o chapéu de caubói. As canções ciganas cederam lugar à música sertaneja.

Já as mulheres Rom e Sinti mantêm a tradição de usar saias longas apenas em festas. “Nós usamos calça, fazemos o que queremos, somos donas do nosso nariz”, diz a cigana Rom Vanessa Martins.

As músicas, com influência europeia, são tocadas por grupos musicais formados por pessoas do próprio clã. As mulheres dançam para acompanhar o ritmo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES
Senai oferece 1,5 mil vagas em 15 cursos técnicos
CIDADES
IFMS divulga aprovados na graduação e chama para matrícula a partir de sexta
ESPORTES
Atleta de MS avança para fase principal de etapa do Mundial na República Tcheca
COPA 2018
Neymar volta a treinar, e Tite deve repetir equipe titular contra a Costa Rica
EM FAZENDA
Homem é atacado por touro no Pantanal e é resgatado por helicóptero
SANEAMENTO
Terceirização da Sanesul pode sair ainda nesse ano, diz Azambuja
REPERCUSSÃO
Assédio a mulher na Rússia envergonhou Brasil, diz ministro do Esporte
ECONOMIA
Venda direta de etanol pode reduzir preço para o consumidor nos postos
BONITO - MS -OBRAS
Prefeitura de Bonito vai reformar ponte sobre o Córrego Roncador
CRIME ORGANIZDO
Armamento encomendado pelo PCC da Bahia é apreendido em MS