Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quinta, 13 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC
Eutanásia

Casal de idosos nos Estados Unidos levanta polêmica sobre morte assistida

2 Set 2011 - 17h18Por MSN

Armond e Dorothy Rudolph temiam um declínio lento e um sofrimento prolongado em sua terceira idade, o que fez com que se juntassem a uma organização que apoia o direito de terminar a vida quando a doença ou dor ficam grandes demais. Eles participaram de reuniões e rascunharam uma declaração antecipada de vontade rejeitando tratamento de suporte à vida no caso de enfermidades fatais e irreversíveis. Eles deram folhetos sobre o tema aos filhos e discutiram os planos com eles.

Porém, anos mais tarde, quando o casal finalmente decidiu desistir desta vida, tudo veio abaixo. Depois que os Rudolphs começaram a recusar a alimentação, o lar para terceira idade onde moravam em Albuquerque, Novo México, tentou despejá-los. Quando a família recusou, os gerentes ligaram para a emergência e tentaram transportar o casal idoso para um hospital.

Os Rudolphs deixaram o local e morreram numa casa alugada, cercados pelos filhos e cuidados por profissionais especializados em pacientes terminais.

Agora, seu caso se tornou um ponto de convergência para quem apoia a autodeterminação no fim da vida e levantou questões espinhosas sobre os direitos dos residentes em lares para a terceira idade e o profundo desconforto da sociedade com a aceleração da morte.

“O maior medo deles era terminar numa clínica de repouso”, disse o filho do casal, Neil Rudolph, professor de química aposentado de Alamosa, Colorado.

“Aquilo era o inferno para eles, ter pessoas tomando conta deles, não ter independência”.

Da forma como aconteceu, os Rudolphs tiveram uma longa e satisfatória terceira idade em Albuquerque. Eles faziam jardinagem, foram voluntários dos escoteiros e trabalharam como líderes numa igreja presbiteriana. Quando sua casa grande e ajardinada ficou difícil demais para manter, construíram uma menor numa cidade vizinha.

Por fim, eles se mudaram novamente para uma comunidade de aposentados, mas, segundo o filho, “física e mentalmente, eles começaram a descer ladeira abaixo”.

Em outubro, eles entraram num lar para terceira idade chamado Village at Alameda. Armond Rudolph, 92 anos, sofria de estenose espinhal e Dorothy Rudolph, 90 anos, praticamente não se mexia. Ambos apresentavam sintomas de demência precoce.

Em janeiro, eles puseram em ação o plano de parar de comer e beber. A prática é uma forma legal de acelerar a morte sem drogas nem violência, geralmente durando cerca de duas semanas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - TROFÉU PIRAPUTANGA
Em grande estilo, Troféu Piraputanga valoriza apoiadores do turismo e empresários de Bonito (MS)
CIDADES
Secretários: Felipe na Fazenda, Murilo Infraestrutura e Resende na Saúde
BONITO - MS
Prefeitura doa área para prédio da Polícia Militar Ambiental em Bonito
CÊ ACREDITA - E NÃO É FAKE
Mãe tenta vender virgindade da filha de 13 anos na Internet por quase R$ 100 mil reais
BONITO - MS - MAIS MELHORIAS
Vereadores entregam reivindicações ao governador Reinaldo durante entrega de obras em Bonito (MS)
BONITO - MS - POPULAÇÃO NA RUA
População clama pela preservação dos rios em Bonito (MS)
LOTERIA
Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
BONITO E JARDIM
Ações de preservação de rios tem custo estimado em R$ 10 milhões
CIDADES
Investigação em MS leva a prisão de grupo no RS que aplicava golpes do seguro
SAÚDE
De 115 vagas para o Mais Médicos em MS, 35 foram preenchidas; 20 cubanos inscreveram-se para ficar