Menu
KAGIVA
quinta, 20 de setembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
Brasil - Economia

Brasil fecha 2011 com segundo maior saldo de dólares em 30 anos

4 Jan 2012 - 16h30Por Uol Economia

O Brasil registrou em 2011 o segundo maior saldo anual positivo de dólares desde o início da série histórica, em 1982. No acumulado do ano, o fluxo cambial teve saldo positivo (superavit) de US$ 65,279 bilhões, segundo mostraram dados do Banco Central (BC) nesta quarta-feira (4).

O volume de agora ficou atrás apenas de 2007, quando houve ingressos de US$ 87,454 bilhões, mas é quase 170% maior do que o de 2010, quando o fluxo ficou em US$ 24,354 bilhões.

O saldo de 2011 foi composto por superávit de US$ 43,950 bilhões nas operações comerciais e de US$ 21,329 bilhões na conta financeira.

Em dezembro, o fluxo cambial brasileiro registrou saldo negativo de US$ 1,943 bilhão, com saldo positivo de US$ 1,681 bilhão na conta de comércio e negativo de US$ 3,625 bilhões no segmento financeiro.

O BC informou ainda que os bancos terminaram dezembro com posição vendida de US$ 1,583 bilhão.

Boas expectativas

Profissionais do mercado acreditam que o país pode continuar atraindo grandes volumes de capitais neste ano se a situação na Europa não piorar.

"Temos condições de manter um fluxo elevado para o Brasil. Vamos crescer mais de 3% no próximo ano e estamos esperando IED (Investimento Estrangeiro Direto) na ordem de US$ 55 bilhões. São números muito bons considerando que este ano não deve ser fácil para a economia mundial", afirmou o diretor da Ativa Corretora, Álvaro Bandeira, que não fez uma projeção para o fluxo neste ano.

Para o economista, a atratividade da economia brasileira também se deve à elevada taxa básica de juros (Selic), hoje em 11% cento ao ano, a despeito de expectativas de queda nos próximos meses.

De acordo com o último relatório Focus do BC, o mercado espera que a economia brasileira cresça 3,30% neste ano e que o IED totalize US$ 55 bilhões. Os agentes apostam ainda que a Selic terminará este ano em 9,5%.

A própria autoridade monetária projeta que o IED ficará em US$ 50 bilhões em 2012, ano em que a economia crescerá 3,5%. A cifra, ainda que robusta, é menor do que a previsão de 2011, de US$ 65 bilhões em IED para o país.

Bandeira ponderou ainda que o fluxo de capitais ao Brasil seguirá dependente do noticiário internacional, sobretudo da crise de dívida na zona do euro.

"Se a aversão a risco crescer, o Brasil vai ser afetado e podemos ter uma diminuição desses fluxos."  

Credibilidade em alta

Para o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo, que não trabalha com um cenário de ruptura no exterior, o ponto forte do Brasil no atual momento econômico é a credibilidade que o país construiu nos últimos anos.

"Nossos fundamentos são sólidos, isso faz a diferença", afirmou.

Mesmo com crise, o mercado acredita que o fluxo pode melhorar ainda mais no médio prazo. O diretor de tesouraria do Banco Prosper, Jorge Knauer, vê dois momentos para o cenário de fluxo cambial neste ano: um primeiro semestre de ingressos mais contidos, e os últimos seis meses do ano com a possibilidade de um fluxo mais forte, em meio à aceleração da economia doméstica e a perspectivas de que não haja um agravamento da crise na Europa.

Volta da posição vendida

Após três meses sustentando posições compradas no mercado à vista, os bancos fecharam dezembro com exposisão vendida -quando as apostas são de valorização do real frente ao dólar- de US$ 1,583 bilhão. Até o dia 16 de dezembro, os bancos tinham posição comprada de US$ 717 milhões.

Segundo o operador de câmbio de uma corretora paulista, o movimento reflete ajustes nas carteiras das instituições após o BC ter sinalizado que atuará no câmbio se necessário.

"Aliviou um pouco o medo do pessoal", afirmou.

Reagindo ao acirramento da crise internacional, o BC anunciou no mês passado um leilão de venda de dólar com compromisso de recompra, a fim de melhorar as condições no mercado interbancário e para as empresas exportadoras. Apesar de nenhuma proposta ter sido aceita, a operação foi entendida por investidores como mais um sinal de que o BC intervirá para ajustar as condições de liquidez.

As posições dos bancos em dólar no mercado à vista ficaram vendidas em grande parte do ano, especialmente no primeiro semestre, quando o dólar vinha numa espiral de queda e atingiu mínimas de 12 anos ante o real. Mas diminuíram a partir de julho, depois que o governo anunciou imposto de 1% sobre operações com derivativos de câmbio que aumentem as posições vendidas no mercado futuro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO
9º MATURISHOW será de 20 a 23 de setembro em Bonito
DOURADOS - DESUMANIDADE
Após acidente, pessoas ignoram vítima fatal e roubam carga de abacaxi em Dourados
BABADO DOS FAMOSOS
Anitta recebe ameaças ao seguir amiga nas redes sociais que vota em Jair Bolsonaro
BONITO - MS - FOTOS SESSÃO DA CÂMARA
Confira as fotos da sessão da Câmara desta terça-feira em Bonito (MS)
SEGUNDO O IBGE
Falhas no saneamento causam surtos de doenças em 26 cidades de MS
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo de MS abrirá 10 concursos públicos para PM e Bombeiro
CIDADES
Fotógrafo que perdeu voo por atraso guarda registros há 44 anos da maior tragédia aérea de MS
TECNOLOGIA
Instagram lança botão para compras de usuários pelo stories da rede social
POLÍTICA
Com renúncias e mudanças, disputa eleitoral em MS envolve 509 candidatos
CIDADES
Polícia prende quadrilha que roubava caminhões e levava para o Paraguai