Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
quinta, 21 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Brasil avalia que calote da Grécia é quase certo

13 Set 2011 - 11h17Por Folha.com

O governo brasileiro acompanha "preocupado" os novos capítulos da crise na Europa e, nos bastidores, já vê muita dificuldade de a Grécia escapar de um calote.

Integrantes da equipe da presidente Dilma Rousseff falam em possível contágio de outros mercados europeus e não descartam um cenário extremo de quebra de bancos, citando a falência do Lehman Brothers em 2008.

Em meio a um forte nervosismo global sobre o futuro da Grécia, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez nesta segunda-feira ao núcleo do governo um relato da situação externa. Afirmou, na ocasião, que as nações europeias em melhor condição fiscal devem ajudar demais países em dificuldades.

Citou, especificamente, França, Alemanha e Holanda, donas de um mercado "mais ativo" que os vizinhos.

Segundo Mantega, as "economias mais dinâmicas", são responsáveis pela retomada da expansão mundial.
"Sem esses países, não tem como estimular o crescimento", disse o ministro da interlocutores. Ocorre que esses mercados têm resistido à essa ideia.

Com dificuldade de refinanciar sua dívida, a Grécia vive uma forte crise fiscal, com risco de suspender o pagamento a seus credores e arrastar a Europa para uma crise semelhante à de 2008. Diversos bancos internacionais possuem títulos da dívida grega, por isso um eventual "default" naquela economia tem potencial para atingir o coração do sistema financeiro global.

A presidente Dilma Rousseff tem falado diariamente com Mantega sobre a situação na Grécia e em outros países na periferia da Europa.

Em tom de alerta, o ministro da Fazenda afirmou à sua equipe que "não se pode alimentar que uma profecia será realizada", e que não há outra solução que não passe pelo alongamento da dívida grega.

"Quando a confiança diminui, tudo fica mais difícil. Devíamos ter aprendido com a crise de 2008 que não se deve deixar banco quebrar, muito menos países", disse, referindo-se à falência do banco de investimentos americano Lehman Brothers, gatilho de uma das piores crises financeiras da história recente.

Apesar dos diagnósticos pessimistas no Brasil e ao redor do mundo, o Fazenda sustenta que o Brasil está menos vulnerável hoje do que estava em 2008. Apesar disso, prevê uma desaceleração das exportações nacionais e uma queda no investimento externo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança