Menu
KAGIVA
quarta, 15 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Brasil ainda tem dependência do agronegócio

19 Jul 2011 - 17h34Por Correio do Estado

A agricultura colhe uma safra de bons números neste ano. Produção recorde, preços remuneradores e superavit na balança comercial. A demanda internacional vai continuar, o que segura os preços em patamares rentáveis e incentiva o plantio. O Brasil se consolida definitivamente no agronegócio, abrindo novas fontes de mercado e se tornando importante participante no abastecimento mundial de alimentos.

O país precisa, no entanto, aproveitar esse momento de boa evolução de produção e de renda para pensar em uma política de longo prazo para obter uma consolidação agrícola.

A safra de grãos é recorde, mas apenas dois dos principais produtos que lideram a produção -soja e milho somam 81% do volume nacional. Se for acrescentado arroz, o percentual vai a 90%. É uma dependência muito grande para o país estar focado em apenas três produtos no setor de grãos.

Um eventual problema na produção deles vai acarretar uma forte perda de renda no campo, se alastrando para todo o sistema econômico. A irrigação financeira desses três produtos no mercado atinge R$ 87 bilhões, 44% do total das principais culturas do país. Só a soja equivale a R$ 55 bilhões por ano.

Além do perigo de uma eventual quebra de produção, e conseqüente perda de renda, as indústrias se voltam mais para esses produtos de grandes volumes, reduzindo pesquisas e oferta de insumos para os de menor volume. O problema não vem apenas das indústrias, mas das próprias "tradings", que desmontam as operações de comercialização para produtos de menor valor e focam apenas nos de maior volume.

Em alguns casos, nem são produtos de menor valor. O Paraná, por exemplo, líder de produção de café no passado, está perdendo a estrutura de comercialização do produto em várias cidades, o que afasta parte dos produtores da cafeicultura.

O governo ensaia uma organização econômica para os produtores familiares e deu mais crédito a esse setor neste ano, mas essas medidas devem visar não apenas a produção, mas também -e principalmente- a comercialização. O país não deve deixar de ser forte em soja, milho, cana e café, mas também tem de priorizar a produção de vários outros produtos, como amendoim, aveia, girassol, feijão, mandioca e até a mamona, o ex-carro-chefe do biodiesel.

Na crise de um produto, a economia agrícola se sustenta em outro. O problema maior para essas culturas de menor Valor Básico de Produção é que, em geral, ocupam pequenas áreas e necessitam de uma estrutura logística específica. Elas dependem muito mais de uma política do governo do que as de grande Valor Básico de Produção, que sempre estão na mira das "tradings".

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIDROLÂNDIA E MARACAJU
Com tecnologia de R$ 70 mil, produtor usa lavoura para apoiar Bolsonaro em Mato Grosso do Sul
BONITO - MS - MAIS ASFALTO EM RUAS
Asfalto está chegando na Rua das Esmeraldas, ela não estava incluída no projeto original em Bonito
MIRANDA - MS - INVESTIMENTOS DO GOVERNO DO MS
Governo do MS investe R$ 1,9 milhão na recuperação de ruas que estavam abandonadas em Miranda (MS)
BONITO - MS - LEVANTAMENTO DO FESTIVAL DE INV
BONITO (MS): Em levantamento, 84% do público que passou pelo Festival de Inverno eram do MS
CIDADES
Curso para Disseminadores da Educação Fiscal está com inscrições abertas
CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO ESTADO
Divulgado resultado final de Programa que concede recursos para eventos técnico-científicos em MS
BONITO - MS - ATENÇÃO A TODOS
Decreto proíbe entulho de construção em ruas e calçadas em Bonito (MS)
FATALIDADE
Pecuarista de 78 anos morre pisoteado por boi em curral
REFLEXOS INDESEJADOS
Quase metade dos presos de MS são ligados ao tráfico
50%
Caixa oferta 158 imóveis com descontos para venda no Estado