Menu
ITALÍNEA DOURADOS
domingo, 19 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Barrada na Rússia e na África do Sul, carne em São Paulo ficou quase 10% mais barata

2 Ago 2011 - 08h31Por Agência Brasil

Nos açougues do estado de São Paulo, o preço das carnes em geral caiu 9,49% de janeiro a junho. Só entre maio e junho, a queda foi 2,9% . Essa oscilação fez o Índice de Preços no Varejo (IPV) sair da inflação de 0,46% em maio para deflação de 0,34% em junho. Calculado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), o IPV acumula alta de 6,77% no ano.

De acordo com a assessora econômica da Fecomercio Juliana Ximenes, os preços dos alimentos encerraram o semestre “com tendência de queda”, em especial, as carnes. Em junho, as aves eram vendidas por preços até 8,66% menores que os verificados em maio nos supermercados, enquanto nos açougues, a queda chegou a 9,49%. Já as carnes bovinas ficaram, em média, 10,1% mais baratas nos supermercados enquanto nos açougues em geral tiveram recuo bem mais modestos, de 1,59%. No caso da proteína de origem suína, a queda atingiu 2,83% nos açougues e 0,38% nos supermercados. A pesquisa da Fecomercio-SP apontou ainda redução de preços dos pescados (-1,59%).

“Com mais oferta desses produtos no mercado interno, foram criadas as condições para essa queda", justificou Ximenes, ao explicar que que a redução dos preços internos foi motivada pela perda momentânea de mercados externos importantes, como Rússia e África do Sul, que embargaram a compra da carne brasileira por motivos sanitários.

Ela alertou, entretanto, que o próximo índice referente ao fechamento de julho, que ainda está sendo calculado, deverá refletir uma certa pressão decorrente do aumento dos custos de produção e da falta de pastagem por causa do clima mais seco. Segundo a economista, dois dos principais insumos da produção pecuária, milho e soja, estão com preços instáveis.

Outra mudança nas expectativas para o segundo semestre deverá ocorrer com combustíveis e lubrificantes que, igualmente, contribuíram para o resultado negativo do IPV em junho (-4,6%) após 11 meses seguidos de elevação. Nos seis primeiros meses do ano, a variação de preços acumulou alta de 6,77% enquanto nos últimos 12 meses, a inflação já soma 12,36%.

A deflação de junho está associada, principalmente, ao início da moagem da cana, que reduziu em 10,38% o preço do álcool combustível e em 3,98% o do álcool anidro (hidratado), que é misturado à gasolina. Mas, como a taxa de crescimento da demanda por esses produtos tem sido maior do que a da oferta, a previsão de Ximenes é de que haja uma recuperação dos preços nos próximos meses. Ela lembrou que o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, admitiu a possibilidade de importação de gasolina como forma de manter os preços estabilizados no mercado doméstico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES NO MS
Governo de MS tem quatro concursos com 2,3 mil cargos ainda em 2018
NOVA FRENTE FRIA - VEJA A PREVISÃO
Nova frente fria chega a Mato Grosso do Sul e mínima será de 6ºC
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governador afirma que pavimentação asfáltica da MS-223 começa nos próximos dias em Costa Rica
INELEGÍVEL
Procuradoria pede impugnação de candidatura do Zeca do PT
BONITO - MS - INAUGURAÇÃO
HOJE tem inauguração do Santo Rock Bar, caipirinha FREE para mulheres até meia-noite em Bonito (MS)
POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'