Menu
ITALÍNEA DOURADOS
tera, 18 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC

Barrada na Rússia e na África do Sul, carne em São Paulo ficou quase 10% mais barata

2 Ago 2011 - 08h31Por Agência Brasil

Nos açougues do estado de São Paulo, o preço das carnes em geral caiu 9,49% de janeiro a junho. Só entre maio e junho, a queda foi 2,9% . Essa oscilação fez o Índice de Preços no Varejo (IPV) sair da inflação de 0,46% em maio para deflação de 0,34% em junho. Calculado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), o IPV acumula alta de 6,77% no ano.

De acordo com a assessora econômica da Fecomercio Juliana Ximenes, os preços dos alimentos encerraram o semestre “com tendência de queda”, em especial, as carnes. Em junho, as aves eram vendidas por preços até 8,66% menores que os verificados em maio nos supermercados, enquanto nos açougues, a queda chegou a 9,49%. Já as carnes bovinas ficaram, em média, 10,1% mais baratas nos supermercados enquanto nos açougues em geral tiveram recuo bem mais modestos, de 1,59%. No caso da proteína de origem suína, a queda atingiu 2,83% nos açougues e 0,38% nos supermercados. A pesquisa da Fecomercio-SP apontou ainda redução de preços dos pescados (-1,59%).

“Com mais oferta desses produtos no mercado interno, foram criadas as condições para essa queda", justificou Ximenes, ao explicar que que a redução dos preços internos foi motivada pela perda momentânea de mercados externos importantes, como Rússia e África do Sul, que embargaram a compra da carne brasileira por motivos sanitários.

Ela alertou, entretanto, que o próximo índice referente ao fechamento de julho, que ainda está sendo calculado, deverá refletir uma certa pressão decorrente do aumento dos custos de produção e da falta de pastagem por causa do clima mais seco. Segundo a economista, dois dos principais insumos da produção pecuária, milho e soja, estão com preços instáveis.

Outra mudança nas expectativas para o segundo semestre deverá ocorrer com combustíveis e lubrificantes que, igualmente, contribuíram para o resultado negativo do IPV em junho (-4,6%) após 11 meses seguidos de elevação. Nos seis primeiros meses do ano, a variação de preços acumulou alta de 6,77% enquanto nos últimos 12 meses, a inflação já soma 12,36%.

A deflação de junho está associada, principalmente, ao início da moagem da cana, que reduziu em 10,38% o preço do álcool combustível e em 3,98% o do álcool anidro (hidratado), que é misturado à gasolina. Mas, como a taxa de crescimento da demanda por esses produtos tem sido maior do que a da oferta, a previsão de Ximenes é de que haja uma recuperação dos preços nos próximos meses. Ela lembrou que o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, admitiu a possibilidade de importação de gasolina como forma de manter os preços estabilizados no mercado doméstico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES
TCE abre 70 vagas em várias áreas para estagiários em MS
BANDIDAGEM - NÃO SOBRE NEM A IGREJA
Em MS, bandidos arrombam porta de Igreja e fogem com dinheiro das doações
FATALIDADE
Operador de máquina de 56 anos morre após acidente grave na Cohab
JARDIM - MS - OPERAÇÃO DA PRF E CIVIL
Grupo de Operações com Cães da PRF e Polícia Civil fazem 'arrastão' durante Operação em Jardim
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo paga nesta terça-feira R$ 500 milhões em 13º para servidores
DEUS SALVOU BEBÊ E FAMÍLIA
Em MS, Carro capota e duas pessoas ficam feridas na BR-262; cadeirinha salva bebê
PREPAREM O TERERÉ
Semana seguirá de calor intenso e com pouca chuva no MS
13º CHEGANDO
Governo de MS confirma pagamento do 13º salário nesta terça-feira
BONITO - MS - TENTATIVA DE SUICÍDIO
Jovem sobe em torre de telefonia para tentar suicídio, PM resgata antes em Bonito (MS)
CIDADES
Motorista com destino a SP perde controle da direção e tomba carreta carregada de celulose na BR-158