Menu
mutantes
quinta, 21 de maro de 2019
ASSOMASUL MARÇO
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Barrada na Rússia e na África do Sul, carne em São Paulo ficou quase 10% mais barata

2 Ago 2011 - 08h31Por Agência Brasil

Nos açougues do estado de São Paulo, o preço das carnes em geral caiu 9,49% de janeiro a junho. Só entre maio e junho, a queda foi 2,9% . Essa oscilação fez o Índice de Preços no Varejo (IPV) sair da inflação de 0,46% em maio para deflação de 0,34% em junho. Calculado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), o IPV acumula alta de 6,77% no ano.

De acordo com a assessora econômica da Fecomercio Juliana Ximenes, os preços dos alimentos encerraram o semestre “com tendência de queda”, em especial, as carnes. Em junho, as aves eram vendidas por preços até 8,66% menores que os verificados em maio nos supermercados, enquanto nos açougues, a queda chegou a 9,49%. Já as carnes bovinas ficaram, em média, 10,1% mais baratas nos supermercados enquanto nos açougues em geral tiveram recuo bem mais modestos, de 1,59%. No caso da proteína de origem suína, a queda atingiu 2,83% nos açougues e 0,38% nos supermercados. A pesquisa da Fecomercio-SP apontou ainda redução de preços dos pescados (-1,59%).

“Com mais oferta desses produtos no mercado interno, foram criadas as condições para essa queda", justificou Ximenes, ao explicar que que a redução dos preços internos foi motivada pela perda momentânea de mercados externos importantes, como Rússia e África do Sul, que embargaram a compra da carne brasileira por motivos sanitários.

Ela alertou, entretanto, que o próximo índice referente ao fechamento de julho, que ainda está sendo calculado, deverá refletir uma certa pressão decorrente do aumento dos custos de produção e da falta de pastagem por causa do clima mais seco. Segundo a economista, dois dos principais insumos da produção pecuária, milho e soja, estão com preços instáveis.

Outra mudança nas expectativas para o segundo semestre deverá ocorrer com combustíveis e lubrificantes que, igualmente, contribuíram para o resultado negativo do IPV em junho (-4,6%) após 11 meses seguidos de elevação. Nos seis primeiros meses do ano, a variação de preços acumulou alta de 6,77% enquanto nos últimos 12 meses, a inflação já soma 12,36%.

A deflação de junho está associada, principalmente, ao início da moagem da cana, que reduziu em 10,38% o preço do álcool combustível e em 3,98% o do álcool anidro (hidratado), que é misturado à gasolina. Mas, como a taxa de crescimento da demanda por esses produtos tem sido maior do que a da oferta, a previsão de Ximenes é de que haja uma recuperação dos preços nos próximos meses. Ela lembrou que o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, admitiu a possibilidade de importação de gasolina como forma de manter os preços estabilizados no mercado doméstico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA
Mesmo sem chuva, nível no Rio Miranda sobe e alerta é mantido
BONITO - MS - NA TRIBUNA
CORPO DE BOMBEIROS: Vereadora solicita ao Governo do estado o inicio da construção
CONTA DE LUZ
Conta de luz pode ter aumento de 15% a partir de abril em MS
POLÍCIA
Brasileira estuprada por policiais em prisão da Bolívia é colocada em liberdade
POLÍTICA
Filhos e vítimas de violência doméstica podem ter prioridade na matrícula escolar
POLÍTICA
Em MS, deputados petistas destacam possibilidade de defesa para Temer após prisão
EMPREGOS E CONCURSOS
Marinha abre concurso com 54 vagas e salários de até R$ 11 mil
BONITO - MS
Imasul inicia plano para explorar turismo no entorno da Gruta do Lago Azul em Bonito
ESPORTES
Representantes do MS brilham em seletivas de Jiu-Jitsu e Judô
GERAL
Ampliação de linhões de energia em MS vai favorecer atração de indústrias