Menu
KAGIVA
segunda, 17 de dezembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
UNIPAR_PC

Aumentam invasões e desmatamento em reservas indígenas de Mato Grosso e do Maranhão

1 Jul 2011 - 12h32Por Agência Brasil

Entre agosto de 2010 e abril deste ano, cem reservas indígenas e 20 áreas de preservação foram invadidas para retirada de madeira em Mato Grosso e no Maranhão, segunda a coordenadora do Relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Maria Helena Rangel.

De acordo com ela, nesses dois estados houve uma “explosão de desmatamento”, possivelmente motivado pela votação do novo Código Florestal pela Câmara dos Deputados. “Há uma relação direta entre as mudanças previstas no código e o aumento do desmatamento. Tem gente querendo criar fatos consumados para poder receber anistia. É um ato de vandalismo, de barbárie.”

Para a coordenadora do relatório, o Maranhão tem uma situação mais complicada ainda, pois as áreas onde ainda há floresta estão localizadas dentro de terras indígenas. “Essas áreas têm sido alvo constante [de invasores]. Tem gente que entra na área atirando, provocando desentendimento, criando uma desordem.”

O relatório aponta que as ocorrências de violência e violações aos direitos contra os povos indígenas continuam ocorrendo frequentemente. Pelo terceiro ano consecutivo, o número de assassinatos chega a 60. Segundo o estudo, 34 mortes ocorreram em Mato Grosso do Sul, o que representa 56% do total. “Tudo continua igual. Temos denunciado como uma situação de genocídio os ataques ao povo Guarani-Kaiowá”, disse Maria Helena.

Outro ponto destacado no relatório é a vulnerabilidade das comunidades indígenas que vivem isoladas. De acordo com dados do Cimi, há hoje 90 comunidades isoladas no país, concentradas principalmente na região amazônica. Segundo o estudo, os territórios desses povos foram invadidos, ocupados e explorados. Além disso, essas comunidades estão em perigo de extinção.

“Podemos afirmar que os poderes brasileiros, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, atuam contra a população indígena no país. Há uma tendência em desconhecer, menosprezar e desrespeitar os indígenas no país”, assinalou Maria Helena.

Segundo o presidente do Cimi, dom Erwin Kräutler, o relatório tem como objetivo mostrar a violência contra os povos indígenas. “O Brasil sempre quer primar pela defesa dos direitos humanos, mas infelizmente ainda temos muitas as violações de direitos dos povos indígenas.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

"SÓ TENHO ELE" - DIZ CATADOR
MS: Catador que criou Batfusca com restos de lixo põe carro à venda por não conseguir manter família
MARACAJU - CHUVA COM DESTRUIÇÃO
Chuva rápida derruba árvores e deixa casas sem energia em Maracaju
BONITO - MS - MARIA DA PENHA
Policia Militar atende ocorrência de violência domestica e prende autor em Bonito (MS)
MUNDO DA MÚSICA
Jorge e Mateus vivem clima tenso e se evitam nos bastidores dos shows
PREVISÕES PARA 2019
Vidente faz previsões chocantes sobre casal “Brumar” e Simone e Simaria
BONITO - MS - MEDIDAS TOMADAS
Governo de MS adota medidas de contenção de erosão para preservar os rios de Bonito
BONITO - MS - HOMENAGEADO
Gruta do Lago Azul era para dar tiro e fazer churrasco, conta guia pioneiro de Bonito (MS)
GOVERNO DO MS - CONQUISTA
Com 86% das metas cumpridas, Reinaldo se reúne com eleitos e traça projetos para 2019
BONITO - MS - RÉVEILLON 2019 -
Prefeitura divulga regulamento sobre as festividades do Réveillon 2019 em Bonito (MS)
CORPO ENCONTRADO EM RIO DE MS
Bombeiros localizam o corpo do homem que sumiu na pescaria em MS