Menu
BONITO CÂMARA JULHO 2019
quarta, 17 de julho de 2019
BANNER GOV
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Arma do futuro só dispara quando reconhece dono legítimo através de chip

20 Set 2011 - 14h44Por Jornal do Brasil

Uma arma que permanece travada até identificar seu dono legítimo, a partir de um chip implantado na mão do mesmo. Esse é o projeto que o pesquisador Mário Gazziro, da Universidade de São Paulo, está desenvolvendo no Instituto de Física de São Carlos. Os testes do equipamento começaram em agosto de 2010, quando o professor implantou um chip sob a pele, na mão esquerda, já com a intenção de provar a eficiência da tecnologia que desenvolve.

O funcionamento da trava se dá por meio de uma bobina, dentro da chamada arma eletrônica. Com a proximidade do chip, ela reconhece o dono e fica hábil ao disparo em cerca de cinco milionésimos de segundo, o que o pesquisador considera como imediato. A única questão é que, por ser um circuito eletrônico, o dispositivo precisa estar carregado para destravar. "No momento, é estudada a montagem de um circuito que tenha capacidade para manter o funcionamento da arma por, no mínimo, uma semana, sem recarregá-la", revela Gazziro.

O uso dos chips subcutâneos já é consolidado em países como os Estados Unidos, em que o procedimento é autorizado pelo departamento de Alimentos e Drogas (FDA) desde 2004. "Lá, a inserção do chip é feita entre o polegar e o indicador, onde há menos terminações nervosas. Em nosso caso, esse local para o implante não é válido, pois o chip ficaria muito distante da bobina da arma, não possibilitando seu destrave", explica o pesquisador.

A arma eletrônica começou a tomar forma quando o Gazziro teve acesso a um chip de 9 milímetros por 1,2 milímetros, o menor modelo de uma empresa do setor, para a qual Gazziro trabalhou. Os chips, voltados a animais silvestres, funcionam também em humanos. "O chip vem dentro de um vidro, revestido por um material chamado parylene C, não rejeitado pelo organismo de animais e humanos. O local do implante - abaixo da pele, logo acima do músculo adutor do dedo mínimo - foi escolhido já se pensando em sua viabilidade para arma eletrônica", descreve.

Além de reconhecer o dono legítimo, a arma teria outras funcionalidades para ampliar a segurança do uso. "O intuito final do projeto é uma arma que, no momento do disparo, já registre local, horário e autor do tiro, inclusive com orientação da bala, informação que poderá ser fornecida se a arma possuir um giroscópio", planeja Gazziro.

Testes da parte mecânica do dispositivo devem ser feitos no final do ano, com apoio da Polícia Civil de Belo Horizonte. A chegada da tecnologia ao mercado ainda deve demorar, segundo o pesquisador, uma vez que "a última fase da pesquisa envolverá a esfera política, para aprovação de um projeto de lei que autorize o uso desse tipo de arma, levando-se em conta todas as suas consequências".

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO E BODOQUENA - #POLÍCIA
Ação conjunta das polícias de Bonito e Bodoquuena por furto e recupera motocicleta
BONITO - MS - NA TRIBUNA
Vereador 'Varguinha' reivindica construção de novo cemitério para Bonito (MS)
CRIME POR DÍVIDA
Polícia encontra camaro amarelo de sobrinho que matou o tio por causa de dívida em Campo Grande
NOVELA DA GLOBO
A Dona do Pedaço: Josiane comete segundo assassinato após nova chantagem
OPORTUNIDADE NO MS
Inscrições já estão abertas e serão gratuitas para o Processo Seletivo em prefeitura do MS
SELFIE DA MORTE
Jovem que morreu em cachoeira se desequilibrou ao tirar 'selfie'
DESAPARECIDA
Família busca por jovem desaparecida há três dias em Campo Grande
UNIDOS PARA SEMPRE
Após 71 anos de vida matrimonial, idosos morrem no mesmo dia
ASSASSINATO
Em MS, Comerciante mata o tio a tiros de pistola durante cobrança de dívida
DOURADOS - ATAQUE DE ÍNDIOS
Indígenas invadem propriedade e atacam policiais com flechas e coquetel molotov em Dourados