Menu
mutantes
quinta, 21 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Arma do futuro só dispara quando reconhece dono legítimo através de chip

20 Set 2011 - 14h44Por Jornal do Brasil

Uma arma que permanece travada até identificar seu dono legítimo, a partir de um chip implantado na mão do mesmo. Esse é o projeto que o pesquisador Mário Gazziro, da Universidade de São Paulo, está desenvolvendo no Instituto de Física de São Carlos. Os testes do equipamento começaram em agosto de 2010, quando o professor implantou um chip sob a pele, na mão esquerda, já com a intenção de provar a eficiência da tecnologia que desenvolve.

O funcionamento da trava se dá por meio de uma bobina, dentro da chamada arma eletrônica. Com a proximidade do chip, ela reconhece o dono e fica hábil ao disparo em cerca de cinco milionésimos de segundo, o que o pesquisador considera como imediato. A única questão é que, por ser um circuito eletrônico, o dispositivo precisa estar carregado para destravar. "No momento, é estudada a montagem de um circuito que tenha capacidade para manter o funcionamento da arma por, no mínimo, uma semana, sem recarregá-la", revela Gazziro.

O uso dos chips subcutâneos já é consolidado em países como os Estados Unidos, em que o procedimento é autorizado pelo departamento de Alimentos e Drogas (FDA) desde 2004. "Lá, a inserção do chip é feita entre o polegar e o indicador, onde há menos terminações nervosas. Em nosso caso, esse local para o implante não é válido, pois o chip ficaria muito distante da bobina da arma, não possibilitando seu destrave", explica o pesquisador.

A arma eletrônica começou a tomar forma quando o Gazziro teve acesso a um chip de 9 milímetros por 1,2 milímetros, o menor modelo de uma empresa do setor, para a qual Gazziro trabalhou. Os chips, voltados a animais silvestres, funcionam também em humanos. "O chip vem dentro de um vidro, revestido por um material chamado parylene C, não rejeitado pelo organismo de animais e humanos. O local do implante - abaixo da pele, logo acima do músculo adutor do dedo mínimo - foi escolhido já se pensando em sua viabilidade para arma eletrônica", descreve.

Além de reconhecer o dono legítimo, a arma teria outras funcionalidades para ampliar a segurança do uso. "O intuito final do projeto é uma arma que, no momento do disparo, já registre local, horário e autor do tiro, inclusive com orientação da bala, informação que poderá ser fornecida se a arma possuir um giroscópio", planeja Gazziro.

Testes da parte mecânica do dispositivo devem ser feitos no final do ano, com apoio da Polícia Civil de Belo Horizonte. A chegada da tecnologia ao mercado ainda deve demorar, segundo o pesquisador, uma vez que "a última fase da pesquisa envolverá a esfera política, para aprovação de um projeto de lei que autorize o uso desse tipo de arma, levando-se em conta todas as suas consequências".

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança