Menu
KAGIVA
quinta, 16 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Áreas protegidas não evitam perda da biodiversidade, diz estudo

28 Jul 2011 - 11h17Por Folha.com

A garantia de áreas protegidas não está evitando a perda de biodiversidade, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira. O trabalho diz que a situação pode se tornar catastrófica até o ano 2050 e exige soluções mais efetivas para os problemas de crescimento da população e do nível de consumo.

De acordo com a pesquisa, publicada na revista científica "Marine Ecology Progress Series", embora existam hoje 100 mil áreas protegidas no mundo todo, que somam 17 milhões de km2 em terra e 2 milhões de km2 nos oceanos, a perda de biodiversidade aumentou.

"Estamos investindo uma grande quantidade de recursos financeiros e humanos na criação de áreas protegidas e infelizmente evidências sugerem que essa não é a solução mais efetiva", afirmou Camilo Mora, um pesquisador colombiano da Universidade do Havaí, em Manoa.

Um dos problemas é que entre as 100 mil áreas protegidas, o cumprimento das normas só é feito em 5,8% das que estão em terra e em 0,08% das que estão nos oceanos.

A despesa mundial nas áreas protegidas é de US$ 6 bilhões ao ano, quando deveria ser de US$ 24 bilhões, por isso que muitas áreas não são financiadas de forma adequada, indica o estudo.

O coautor do trabalho Peter Sale, diretor do Instituto de Água, Meio Ambiente e Saúde (Canadá) da Universidade das Nações Unidas, também identificou outras quatro limitações no uso de áreas protegidas para preservar a biodiversidade do planeta.

Segundo o pesquisador, o crescimento previsto das áreas protegidas é muito lento. No ritmo atual, para alcançar o objetivo de cobrir 30% dos ecossistemas do mundo seriam necessários 185 anos em terra e 80 anos nos oceanos.

Ao mesmo tempo, as ameaças contra a biodiversidade, como a mudança climática e a poluição, estão avançado rapidamente, enquanto o tamanho e a conexão das áreas protegidas são inadequados. Cerca de 30% das áreas nos oceanos e 60% das de terra têm uma superfície inferior a 1 km2.

Além disso, as áreas protegidas são uma medida efetiva somente contra duas ameaças de origem humana, a exploração em massa e a perda de habitat, mas não contra mudança climática, poluição e espécies invasoras.

Finalmente, elas entram em conflito com o desenvolvimento humano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - ATENÇÃO MÃES
Dia 'D' contra poliomielite e sarampo será neste sábado em Bonito (MS)
BONITO - MS - NAS ESTRADA VICINAIS
Agesul e prefeitura recuperam 120 Km de estradas vicinais em Bonito (MS)
BONITO - MS
Incêndio de grandes proporções destrói imóvel do Instituto Internacional Visão de Vida de Bonito
ELEIÇOES 2018 NO ESTADO
Renúncia de Chaves abre crise e tensão na campanha de Odilon
COMPORTAMENTO
Colégio Militar pula página com foto de gays para não falar de homossexualidade
CULTURA
Aniversário de 100 anos da Morada dos Baís terá concerto, espetáculo e memórias
ESPORTE
Lutador de MS é convocado para Mundial em outubro na Turquia
POLÍTICA
Com fim da hegemonia da TV, internet pode ser decisiva nestas eleições
POLÍTICA
TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro
MEIO AMBIENTE - JARDIM E BONITO
A condenação do rio da Prata, essencial para a biodiversidade em Jardim e Bonito (MS)