Menu
KAGIVA
quarta, 19 de setembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Após 84 horas interditada, fronteira é reaberta e congestiona Ramão Gomez

20 Mai 2011 - 10h15Por Midiamax

Após 84 horas de interdição, a fronteira da Bolívia com Corumbá foi reaberta no início da tarde desta quinta-feira, 19 de maio. O "Paro Cívico" iniciou à zero hora de segunda-feira, 16, quando manifestantes de entidades ligadas principalmente ao comércio daquele País, bloquearam a passagem de veículos na fronteira. Eles reivindicavam a revisão da normativa brasileira RFB nº 1.059, da Portaria MF 440, que estipula a quantidade de mercadorias estrangeiras que entram no Brasil.

A medida foi tomada após o vice-ministro do Comércio Exterior e Imigração, Pablo Guzmãn Laugier, entrar em contato com o Consulado Boliviano em Corumbá e informar que uma comissão do Governo Boliviano seguiu para a província de German Busch para uma conversa com os comerciantes. "Essa comissão, através de seus canais diplomáticos virá até a fronteira para conversar e explicar as questões que estão sendo negociadas com as autoridades brasileiras, para os comerciantes locais que realizaram o Paro Cívico", explicou o cônsul da Bolívia em Corumbá, Juan Carlos Mérida Romero.

Em nota enviada ao Consulado, o vice-ministro confirmar a presença dos representantes na região: "A Delegação do Ministério das Relações Exteriores seguirá com destino a Puerto Suárez e Corumbá para participar de uma reunião, onde terá a tarefa de explicar as gestões que estão sendo realizadas junto às autoridades do Brasil a respeito das demandas", diz a nota. A Delegação será formada pela vice-ministra de Gestão Institucional e Consular, Erica Dueñas Ledesma; Diretor Regional de Santa Cruz, Vladimir Ferrel; Diretor Geral de Acordos Comerciais, Benjamin Ferri; Diretora Geral de Assuntos Consulares, Cecília Eróstegui; Diretor Geral de Assuntos Bilaterais e representante da Direção Geral de Acordos Comerciais, Elmer Catarina.

Trânsito liberado

Após a liberação do tráfego, a rodovia Ramão Gomez, de acesso Brasil-Bolívia ficou congestionada por caminhões que aguardavam na Agesa a liberação para cruzar a fronteira com mercadorias.

"Fiquei sete dias esperando para cruzar a fronteira levando minha carga que é alimentícia. Não tive prejuízos de carga, mas tive gastos pessoais por ter que ficar aguardando a fronteira reabrir. Calculo que são quase mil reais que gastei nesses dias aguardando com a carga no pátio da Agesa. Fora que ficamos muito irritados, pois ficar esperando significa perder serviço, ficar mais tempo longe de casa; é muito revoltante. Agora, temos que enfrentar a fila que não segue, fica parada por um bom tempo, essa situação nos deixa mais angustiados ainda", desabafou o caminhoneiro Fábio Monteiro 26 anos.

Já o caminhoneiro Luiz Costa Marques, 45 anos, afirma que teve os mesmos prejuízos que do companheiro e que nunca passou por uma situação dessas. "Há mais de vinte anos rodo pelo Brasil e faço muito o tráfego entre Brasil e Bolívia. Já vivenciei paralisações da fronteira de três dias, porém, como esta de quatro dias é a primeira vez. É estressante isso, mas é a vida de caminhoneiro, dependemos do tráfego. Eu e mais três caminhões levaremos uma carga para Santa Cruz. Somos três despesas, juntos, devemos ter gastado cerca de dois mil reais esperando desde sexta-feira passada para cruzar a fronteira. A carga era para chegar até terça-feira, 17 de maio, ao destino, porém, está bem atrasada", lamentou a este Diário.

O trânsito ficou caótico. Motoristas não respeitavam as faixas, a ânsia de cruzar a fronteira era tanta, que muitos andavam até pela contramão. Foi necessário que agentes de Trânsito da Agência Municipal de Transportes estivessem presentes para a contenção do tráfego e evitar possíveis acidentes.

A portaria

No dia 03 de agosto de 2010, a Receita Federal publicou no Diário Oficial da União a Instrução Normativa RFB nº 1.059, da Portaria MF 440, que facilitava a entrada de objetos de uso pessoal nas alfândegas a partir de 1º de outubro, além de acabar com a obrigatoriedade do preenchimento da declaração de saída temporária de bens importados do País, como notebooks e câmeras fotográficas.

Segundo a alteração da normativa, os bens trazidos na bagagem para uso pessoal não são mais contabilizados na cota limite do viajante para não precisar pagar impostos, equivalente a US$ 500 (por via aérea) ou US$ 300 (por via terrestre). Itens como roupas, sapatos, relógios, produtos de beleza e de higiene não são contabilizados nesse limite.

Outros bens que não são para uso pessoal, além de serem contabilizados na cota limite de valor, não poderão exceder a quantidade de três unidades idênticas. O Fisco também estabeleceu limites quantitativos para a entrada no País com bebidas alcoólicas (12 litros), cigarros (10 maços com 20 unidades), charutos e cigarrilhas (25 unidades) e fumo (250 gramas).

Anderson Gallo/Diário Online
Fronteira estava fechada desde segunda-feira

Além disso, a medida permite ao turista vindo do exterior desembarcar nos aeroportos do País sem utilizar a cota com até 20 unidades de produtos baratos, que custem até US$ 10 (por via aérea) ou US$ 5 (por via terrestre), desde que mais da metade desses produtos não sejam idênticos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO
9º MATURISHOW será de 20 a 23 de setembro em Bonito
DOURADOS - DESUMANIDADE
Após acidente, pessoas ignoram vítima fatal e roubam carga de abacaxi em Dourados
BABADO DOS FAMOSOS
Anitta recebe ameaças ao seguir amiga nas redes sociais que vota em Jair Bolsonaro
BONITO - MS - FOTOS SESSÃO DA CÂMARA
Confira as fotos da sessão da Câmara desta terça-feira em Bonito (MS)
SEGUNDO O IBGE
Falhas no saneamento causam surtos de doenças em 26 cidades de MS
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo de MS abrirá 10 concursos públicos para PM e Bombeiro
CIDADES
Fotógrafo que perdeu voo por atraso guarda registros há 44 anos da maior tragédia aérea de MS
TECNOLOGIA
Instagram lança botão para compras de usuários pelo stories da rede social
POLÍTICA
Com renúncias e mudanças, disputa eleitoral em MS envolve 509 candidatos
CIDADES
Polícia prende quadrilha que roubava caminhões e levava para o Paraguai