Menu
ASSOMASUL MAIO 2019
sbado, 25 de maio de 2019
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO

Antibiótico ameniza sintomas de doença pulmonar, indica estudo

26 Ago 2011 - 12h00Por Folha.com

O uso de um antibiótico barato e amplamente disponível pode reduzir em 30% a frequência de crises em casos moderados e graves de DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

A conclusão é de uma pesquisa publicada ontem no periódico "New England Journal of Medicine".

A doença, que mata 33 mil brasileiros por ano, ataca principalmente os fumantes.

A pessoa para de respirar progressivamente. A DPOC é caracterizada por dois problemas (enfisema pulmonar e bronquite crônica) e se manifesta em quem se expõe ao fumo (85% dos casos) e a fumaça de fogão a lenha (15%).

O ESTUDO

Pesquisadores da Universidade do Colorado, nos EUA, observaram 1.142 pacientes com DPOC moderada e grave, caracterizada por episódios repetidos de aumento de tosse, catarro e falta de ar.

Entre eles, 570 receberam uma dose diária de 250 mg de azitromicina, além do tratamento usual com corticoide inalável e broncodilatador, enquanto os outros 572 receberam placebo.

Durante o ano da pesquisa, os participantes que receberam o antibiótico ficaram livres de crises por 266 dias, em média, em comparação com 174 dias entre os que receberam placebo.

O trabalho concluiu que a dose diária do antibiótico reduziu a frequência das crises e melhorou a qualidade de vida dos pacientes.

"O uso contínuo da azitromicina é uma prática médica muito bem estabelecida para reduzir infecções. Em algumas situações, o remédio é usado não com a expectativa de um efeito antibiótico, mas sim de um poder anti-inflamatório", afirma o pneumologista Alberto Cukier, do InCor (Instituto do Coração).

Segundo o médico, a droga atua nos mecanismos de inflamação e evita o aparecimento de novas infecções por causa disso.

No entanto, Cukier ressalta que o risco do uso continuado de antibiótico causa preocupação entre os médicos.

O pneumologista Carlos Fritscher, professor da Faculdade de Medicina da PUC do Rio Grande do Sul, afirma que a prática pode induzir a resistência bacteriana, favorecendo o surgimento de tipos mais agressivos de micróbios.

O antibiótico, hoje, só é usado em pacientes com casos mais graves de DPOC, afirma Fitscher, em conjunto com o tratamento contínuo com corticoides inaláveis.

EFEITO COLATERAL

Uma pesquisa publicada no ano passado no periódico "Chest" mostrou que o uso de corticoides inaláveis por pacientes com DPOC traz pouco resultado no controle das crises respiratórias.

Fritscher afirma que em torno de 60% dos pacientes com doença obstrutiva pulmonar crônica moderada ou grave usam produtos que contêm corticoide inalável.

"Em alguns pacientes, ele é uma peça-chave no tratamento para controlar a inflamação, mas o remédio não cura a doença. O enfisema pulmonar é irreversível", afirma Fritscher.

O médico afirma que parar de fumar reduz a intensidade das crises.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRIO CONTINUA NO MS
Temperaturas podem variar entre 4°C a 32°C neste fim de semana em Mato Grosso do Sul
FEMINICÍDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
BONITO - MS - AÇÃO POLICIAL
Homem agride mulher e enteado e é preso pela Polícia Militar de Bonito (MS)
BONITO - MS - NA CÂMARA
Vereador convida população bonitense para a primeira votação do projeto jovem aprendiz nesta segunda
BONITO - MS - VALORIZANDO A ZONA RURAL
Valorizando a zona rural, prefeitura conclui reforma de ponte na fazenda Furna Dourada em Bonito
TODO CUIDADO É POUCO
Homem morre quando mexia no celular na Capital do MS
MOEDAS DE GORJETAS
Mulher compra carro com R$ 76 mi de moedas que juntou por 10 anos
Bonito
12 produtores vão arcar com reparação de áreas para resolver turbidez de rio de Jardim e Bonito (MS)
CRISE NO BRASIL
Governo de MS só tem garantia de pagar salário em dia até junho
OPORTUNIDADE NO MS
Em MS, Prefeitura abre inscrições para contratação de auxiliares de enfermagem