Menu
mutantes
quarta, 20 de maro de 2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

30% dos pefeitos de SP dizem que o crack é a droga mais consumida em seu município

21 Set 2011 - 12h43Por Revista Veja online

 O crack é a droga ilícita mais presente nos municípios do estado de São Paulo, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira pela Assembleia Legislativa de São Paulo. A pesquisa mostrou ainda que a maioria das cidades do estado, 79%, não possuem leitos hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS) para receber dependentes químicos. Os dados foram coletados pela Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. A única droga mais usada que o crack é o álcool, que é lícito. 

Para a pesquisa, foram enviados questionários com dez perguntas para os prefeitos de 645 municípios do estado. Os gestores de 325 cidades – onde se concentra 76% da população do estado – responderam às questões. A pesquisa mostrou que a utilização do crack ocorre em todos os municípios pesquisados.

Entre as questões, gestores responderam quais eram as drogas mais presentes em cada município. No topo do ranking, o álcool respondeu por 49% do total. Já o crack apareceu em segundo lugar, com 31% do total das respostas – seguido por cocaína, maconha e drogas sintéticas.

Segundo a pesquisa, o avanço do crack é mais acentuado em municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes. Em regiões como Barretos, Ribeirão Preto e São José dos Campos, o crack aparece empatado com o álcool, ambos com 38% das respostas.

Do total de pesquisados, 63% dos prefeitos disseram que não ajudam financeiramente instituições ou entidades comunitárias que atendem dependentes químicos. Outro dado mostra que somente 5% dos municípios pesquisados recebem recursos do governo estadual para o enfrentamento do crack e outras drogas. Além disso, apenas 12% recebem verba do governo federal para o combate às drogas.

A pesquisa mostrou ainda dados com o perfil do dependente químico atendido pelo SUS. Segundo os resultados, 80% dos usuários se encontram na faixa etária entre 16 e 35 anos. Nos municípios com população entre 5 mil e 100 mil habitantes, 57% dos usuários estão na faixa etária entre 16 a 25 anos. O que, segundo a pesquisa, demonstra que o problema está mais acentuado entre os mais jovens.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CIDADES
Vendaval derruba árvores em rodovias e chuva alaga cidades de MS
BONITO - MS
Cheia e rio turvo após chuva interditam balneários e gruta em Bonito
BONITO - MS
Bonito recebe palestra e workshop de fotografia na gastronomia
BONITO - MS
Custo da coleta de lixo em 2019 será superior a 2 milhões em Bonito
'Queriam se aparecer para os colegas'
Adolescentes tentam atear fogo em sala de aula e são detidos em MS
BONITO - MS - NA TRIBUNA
Na tribuna, Proposta de vereador quer melhorar acesso ao Balneário Municipal á cadeirantes em Bonito
BONITO - MS
Prefeitura de Bonito convoca a 8ª Conferência Municipal da Saúde
BONITO - MS
Secretaria de Esportes recebe doação de jogo de camisetas em Bonito
CIÊNCIA E SAÚDE
Terceira e última superlua de 2019 poderá ser vista nesta quarta
LOLLAPALOOZA 2019
The sun': Vitor Kley revela versão em inglês de hit 'O sol' e fãs comemoram: 'Mundo vai ser seu'