Menu
ITALÍNEA DOURADOS
domingo, 24 de junho de 2018
KAGIVA
Busca
OPERAÇÃO PAPIROS DE LAMA

PF: Delação de Ivanildo, ex-operador de Puccinelli, revelou 'caminho da propina'

14 Nov 2017 - 13h32Por Midiamax

À exemplo da Lava Jato, a Operação Lama Asfáltica também ganhou novos contornos com a delação premiada do pecuarista Ivanildo da Cunha Miranda, ex-operador do suposto esquema de propinas do ex-governador André Puccinelli (PMDB) entre os anos de 2006 a 2013.

De acordo com a PF, que deflagrou a 5ª fase da Lama Asfáltica, chamada de Papiros de Lama, nesta terça-feira (14) e prendeu Puccinelli e o filho, o advogado André Puccinelli Júnior, todo conteúdo da delação de Ivanildo será disponibilizada ainda hoje pela 3ª Vara da Justiça Federal em Campo Grande, ainda hoje.

Ivanildo procurou a PF em agosto passado, e aliado aos seus depoimentos, perícias, documentos e provas coletadas nas outras quatro fases da Lama Asfáltica, os agentes conseguiram comprovar desvios de R$ 85 milhões, somente na Papiros de Lama. Em toda a Operação, desde 2015, o dinheiro desviado de recursos públicos ultrapassa R$ 235 milhões.

“Tudo convergiu corroborado pela delação e pelos depoimentos”, explicou o delegado da PF, Cléo Mazzotti. Segundo ele, Ivanildo recebia dinheiro do grupo JBS, como já delatado pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, e depositava em contas que Puccinelli determinava.

O delegado contou que o dinheiro de propina era trazido da JBS de várias formas e em grandes quantias, dentro de mochilas e caixas, por exemplo, e além do testemunho do delator, os agentes encontraram planilhas que corroboram as investigações. Miranda, que buscava os valores em São Paulo e Rio de Janeiro, recebia entre R$ 60 a R$ 80 mil entre 2006 a 2010, valor que depois chegou a R$ 200 mil, para fazer o papel de operador da propina.

“A investigação entende que o ex-governador (Puccinelli) nessa estrutura criminosa tinha papel central, até porque era beneficiário”, afirmou o delegado, durante a coletiva na sede da PF na Capital, na manhã desta terça-feira.

Lavagem de dinheiro

Ainda não 4ª fase da Lama Asfáltica, a Máquinas de Lama, a investigação constatou a simulação de um contrato de esgoto entre Águas Guariroba e a Proteco, de João Amorim, no município de Dourados, onde a empresa não mantém a concessão. A empreiteira teria comprado uma estação de saneamento por R$ 3,5 milhões e revendido, no dia seguinte, à Águas, por R$ 4,5 milhões, em um negócio que, de fato, não teria acontecido.

Já nesta fase, a força tarefa verificou a contratação de serviço de assessoria jurídica fictício da Águas, com pagamento de vultuosos valores para escritórios de advocacia ligados a André Puccinelli Junior.

“Quase R$ 5 milhões foram transferidos da Águas Guariroba para o grupo do ex-governador Andre Puccnelil de 2011 a 2017”, contou superintende regional da CGU, José Paulo Barbieri.

O delegado regional da Receita Federal, Henry Tamashiro Oliveira, disse que as investigações comprovaram ainda que houve aquisições de livros jurídicos, por parte da Águas, e serviços de consultoria advocatícia com ‘fortes indícios de que não foram realmente prestados’. Segundo ele, a Papiros de Lama deve gerar novas operações.

Mazzotti afirmou também que a empresa de Puccinelli Júnior, a Ícone, que promove cursos jurídicos, recebia dinheiro de propina da JBS e da Águas Guariroba, por meio da aquisição de grande quantidade de livros vendidos, sem utilização pelo comprador, e por meio dos direitos autorais pagos ao filho do ex-governador.

Dois nomes ligados a Puccinelli Júnior, os advogados João Paulo Calves e Jodascil Gonçalves Lopes, do Instituto Ícone, foram presos temporariamente, até cinco dias de prazo.

Puccinelli e o filho foram presos preventivamente, sem prazo para terminar, uma vez que escritório de advocacia ligado a Puccinelli Júnior ainda recebe grandes somas, cerca de R$ 1 milhão, da Águas Guariroba, o que para a PF, é prova de que o processo de lavagem de dinheiro está em andamento.

A Receita Federal já multou empresas e pessoas físicas, alvos da operação, em cerca de R$ 23 milhões. A Justiça também autorizou o sequestro de bens dos investigados em até R$ 160 milhões (desde início da Operação, em 2015, esse montante chega a mais de R$ 500 milhões).

Durante a coletiva, a força tarefa, PF, CGU e Receita, revelou que identificou, por exemplo, um depósito, em 2014, oriundo da JBS, de quase R$ 20 milhões. O total da propina ainda está sendo apurado, bem como o valor que Águas Guariroba repassou ao grupo, cujo montante ainda não pode ser detalhado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE E JARDIM
Uems abre concurso para professores efetivos em Campo Grande e Jardim
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Padrasto acerta murro na boca de criança ao tentar agredir esposa
BONITO - MS - CASO DE POLÍCIA
Polícia Militar prende jovem por uso de drogas em vias publicas próximo a escola em Bonito (MS)
SUCURI NA RODA - VÍDEO
VÍDEO: bombeiros retiram roda de carro para fazer ‘resgate’ de sucuri de 2 metros
BONITO - MS - FOTOS
Veja as FOTOS da palestra de Augusto Cury na Câmara em Bonito (MS)
MERCADO DE TRABALHO
Programa inédito da GOL para trainees recruta formados em qualquer curso
UNIPAR - EAD - DOURADOS - CONVÊNIO FECHADO
Unipar EAD fecha convênio com Grupo Abevê garantem até 25% de desconto nas mensalidades em Dourados
JUSTIÇA
OAB anuncia novo recurso contra cobrança de bagagem em aviões
GERAL
Nova portaria regulamenta expediente de servidores em jogos do Brasil
OPORTUNIDADES
Seleção de estagiários do MP/MS aplica prova domingo em 37 cidades